JUNTE-SE A NÓS!
AQUI É O LUGAR PARA OS QUE
AMAM A PINTURA REALISTA

E-BOOK GRÁTIS
Como Desenhar Retratos Realistas

O Desenho e a Pintura Realista de Paulo Frade

Motivado por lapsos de pinturas mentais que trazem o gosto inicial da obra, travo um embate entre a ideia sutil das cores, formas e expressões da imaginação, para transformá-las em algo dimensional e palpável.
A matéria pictórica é imprescindível na minha obra.

A textura do óleo, a formação das camadas, o uso do empasto e a mistura de cores, todos esses aspectos estão inter-relacionados com as camadas de pele, presença e vida da pessoa ou objeto a ser retratado.
O trabalho com a pintura a óleo e o retrato, em si, carregam uma relação intrínseca com a intenção de permanência existencial através da imagem e da memória.

Trazer à existência coisas ou pessoas através da arte, promove ao espectador a possibilidade de se conectar com a sensação de vida que esta emana, ou emanava.
Uma das minhas principais motivações se dá em como captar a vida derivada dos corpos, além de sua mera representação. São estas percepções subjetivas que guiam minhas construções figurativas, bem como, o próprio questionamento sobre o embate dual entre as camadas de percepção da vida e da morte. Se há camadas subcutâneas, ou espirituais, estas são meu objeto de estudo.

Acredito que a técnica deve estar a serviço da expressividade. A técnica do claro e escuro me possibilita dramaticidade, além disso, as fartas pinceladas de tinta remetem à tridimensionalidade. Do mesmo modo, estão a escala, a dimensão do vazio versus preenchimento e o direcionamento do olhar, todos são recursos que exploro para a construção de linguagem.

Influenciado pela dramaticidade barroca de Rembrandt e Caravaggio, pela escola realista americana do século XX, Lucien Freud, entre outros artistas, busco estar em contato com ambientes e pessoas reais para aprofundar minha pesquisa pessoal no realismo, como visitas a lugares onde a existência é problematizada,

ou questionada, como hospitais, funerais, asilos.
Lugares de convivência, que denotam a deterioração da matéria, do corpo e da mente, e potencializam estes questionamentos.